quarta-feira, 21 de setembro de 2011

auto

salvo a compreensão 
carecemos entendimentos forjados
havendo espaço em tempo pouco 
adrede que chora em peito manso 
ao paradoxo mais que imperfeito
inferimos maus agouros 
fora garganta que sangra e arde 
coro em vozes execradas 
fazemos impróprio o veneno 
das horas antecedentes ao fracasso 
movendo-nos relapsos desencontros 
negamos as mãos maculadas 
castigamos em cama 
sentimentos enzimáticos 
saimos passo a passo 
de finório matreiro 
já demais saciados 
de tantas lembranças fuleiras 
cansamo-nos aos prantos 
cansamo-nos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget