quinta-feira, 13 de junho de 2013

Águas-vivas imortais

Não temos defeitos
Não tememos a morte e sorrimos para ela
Dançamos em volta dos corpos caídos
Desesperados por um pouco de compaixão
Somos frutos infecundos
De todas as mentiras do mundo

Guardadas em estantes e pilhas de ossos
A culpa por deliciar a boca em vaidade
Não há nada de errado por aqui

Consertamos os vazamentos e perdemos a chave
Desejamos um pouco mais de segredos mal contados
Temos tanto a esconder de todo o resto do mundo
De tantos rostos que escolhemos mascarar
Somos o que não querem que sejamos

Não podemos morrer
Negociamos nossas almas
Em troca da imortalidade
Deleitamos no veneno jorrado
Brindando o prazer maldito
De sermos eternamente jovens

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget