quinta-feira, 19 de julho de 2012

contradição epistemológica do desconhecido


em fração de segundos ou tempo desnecessário
a verdade que acaba de existir 
não existe nada demais
qualquer palavra que se repete
a cuidadosa vontade de errar
continuando em caminho contrário
castidade entrelaçada em braços e apertos de mão
moralmente duvidosos
acaso que faz o destino vomitar
em sacos de papel reciclado
sem destino ou onde morar morrer sorrir e deitar para sempre
caso contrário contrario todos os âmbitos descompassados
colorindo o sorriso com tinta lavável
em boca fechada
prisão perpétua castigo
a loucura de aprisionado em um futuro impossível
se existe o destino
o filho da puta é cínico e sociopata 
caricato retrato abstrato 
do que não poderemos existir
ser ou viver em outros olhos e retratos
escondemo-nos do acaso
debaixo dos nossos perigosos afagos
o veneno deixamos escorrer

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget