quinta-feira, 5 de abril de 2012

diálogo entre a solidão e o ego

grandes merdas, tu pra mim não é porra nenhuma. e tu que fica falando sozinho feito um maluco. mas eu tenho inveja de você. teria pena, mas você não precisa dessa merda. qual o problema em sentar em uma porcaria de uma mesa de bar e beber alguns tragos? não vejo merda nenhuma de errado nessa situação toda. tu que dizes não gostar da solidão. vou te falar um pouco de solidão. eu trepo com ela todas as noites e não estou nem aí pra isso que tu tá me dizendo. na verdade não te digo nada. diz sim, tu sempre tem uma merda pronta pra ser cagada, na ponta da língua. onde você esteve esse tempo todo? não te reconheço mais. estava no mesmo lugar de sempre. estou no mesmo lugar de sempre a trinta e seis anos. nunca mais te enxerguei. é que você é tão covarde que não olha nem para o próprio reflexo no espelho.

Um comentário:

  1. Muito louco o seu texto...mas ao mesmo tempo muito bom. É diferente a sua forma de lidar com a solidão...quem sabe não será a melhor forma não é mesmo?
    Uma feliz Páscoa.
    Abraços

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget