sábado, 8 de outubro de 2011

prazer irremediável

a mais profana qualidade que ostentamos
prazer irremediável 
estremecidos pernas 
perdidos em caminhos opostos 
voltados os olhos ao mesmo lugar  
miúdez obscena 
saciamos vontade 
e aos poucos ficaram restos 
por menores que fossem 
sofremos suficientes remorsos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget