sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

dentes afiados

o rato que rói
cansa
passa a vida a roer
em buracos escuros
silêncio
fuga
fuga

feio de aparências
certo
que medo
causa
assusta
delicado
a roer
resvalando
onde
fica
quieto
pianinho
escondido
em imundices
tantas
velhacarias
aqui
e ali
mais uma roedura
que ódio cultiva
a fome
que bate
em peito de rato
e rói rói rói

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget