sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

filho do escuro

sorria a sombra
remorsos passageiros
sou pelos cantos
intrigado
desencanto atestado de fracasso
canto e me acalmo
em mentiras pragmáticas
sempre em frente
desconhecendo
qualquer segundo que se preze

filho do escuro e abstrato
cárcere em frágil desencanto
ao calor de mão que castiga
acalma e afaga
apaga minuciosamente
qualquer tipo de solidão


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget