quarta-feira, 31 de agosto de 2011

nada

entre falhos paradigmas
ressabiamos vontade passageira
calo-me em recanto paradoxo
impelindo desconchavos indevidos
julgando modificações mórbidas
saciando anamórficos desejos
volto em ti a vezes quando
cabe a pouco ressentir
colérico rarefeito sofrimento
ausenta-me em segredos
o tempo se foi não agora
ficou-se nada em pratos limpos
fora longe de encontro
e de sozinho tanto
fico aqui...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget